Tratamento sem remédio

3998

Vira e mexe alguém me pergunta se eu acredito na cura do pânico sem uso de remédios.
Em primeiro lugar, não sei realmente se existe cura para o pânico nem para outros transtornos de ansiedade. O que sei é que é possível controlar os sintomas e conviver bem com eles.

Ao longo desses mais de 17 anos de convivência com o pânico, já usei florais, Maracujina, Serenus, passiflora, chá de camomila, de erva-doce, e várias outras alternativas fitoterápicas. Mas nenhuma delas fez efeito comigo. A única coisa que me recordo é de ter taquicardia. Isso não significa que não ache que essas substâncias possam ter bons resultados com outras pessoas. Minha mãe mesmo, por exemplo, sempre tomou Maracujina e Passiflorine e até hoje, no alto de seus 80 anos, nunca recorreu a um tarja preta. Por outro lado, uma simpática senhora septuagenária que frequenta o Grupo de Apoio Sem Transtorno contou, em uma das reuniões, que tomava antidepressivo há uns 20 anos e que se sentia muito bem. “Todos os dias tomo uns 15 comprimidos: para pressão, para colesterol, para osteoporose… o antidepressivo é só mais um deles”, ela disse. “E nem penso em deixar de tomar. Ando de bicicleta todos os dias, faço minhas coisas, me sinto muito bem!”, completou.

É claro que isso depende do nível de ansiedade, acho que quando se trata de uma ansiedade leve, ou ocasionada por uma situação específica, a solução pode ser apenas mudar alguns hábitos, buscar uma yoga, ou uma terapia – que, aliás, faz bem em qualquer fase da vida! Mas se a solução é fitoterápica, homeopática, alopática, não importa. O que importa, na minha opinião, é que a gente não sofra com os sintomas. Que os ataques de ansiedade e a depressão não nos tire o sono, a fome, a vontade de sair, de produzir, de se divertir, de namorar, de estudar, de viver! Se estivermos sentindo algum – ou vários – desses sintomas, devemos procurar um médico e tomar medicação sim, sem medo de ficarmos dependentes. Isso é o de menos! O importante é a gente ter uma vida com qualidade! E daí se precisarmos tomar remédio todos os dias pro resto da vida? Quanta gente também precisa? Inclusive, muitas de nós, mulheres, tomamos anticoncepcionais durante anos e, apesar dos evidentes benefícios que nos trazem, eles também podem causar diversos danos à nossa saúde.

Vale a reflexão!

Saúde, paz e coragem a todos! :)

19 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns Karen. O site ficou maravilhoso. Quanto ao uso de medicamentos para controle do TAG e suas derivações, e outros transtornos mentais, sou plenamente a favor. Eu mesmo lutei um bom tempo contra o TAG, utilizando homeopatia, fitoterapia, terapia cognitivo- comportamental, entretanto, sem surtir qualquer efeito. Chegou a um ponto em que não dormia mais, foram 6 meses de sofrimento, não tinha energia para mais nada, memória péssima, angústia, muita ansiedade e sentia que meu trabalho e vida familiar começavam a ser afetados, um horror! Procurei um bom psiquiatra aqui em BH e voltei a tomar amitriptilina 50mg. Adaptei-me bem a essa medicação, uma maravilha, normalizou o sono, controlou a ansiedade e me devolveu qualidade de vida. Hoje continuo tomando, já fazem 2 anos, e não pretendo parar, pois me sinto bem com a medicação. A todos que estão lutando contra o TAG e outros transtornos mentais, não prolonguem sofrimento, procurem um bom psiquiatra, e se for indicada a medicação não tenham receio ou preconceito de utilizá-la, pois uma vez encontrado o medicamento certo, a qualidade de vida certamente será restabelecida. Abraço a todos!

  2. Olá, adorei encontrar seu blog, tem me ajudado muito, principalmente em tirar duvidas. Descobri que tenho TAG a um mês, mais tenho sintomas a mais de seis meses. Tudo começou a o passado, tinha dores fortes no peito e muita falta de ar, descobri que estava com pneumonia, tratei mas as dores continuavam, cada dia mais fortes e com sintomas a mais, braços dormentes, enjoos, coraçao acelerado,

  3. Olá!<br />Não sei descrever qual foi minha reação ao deparar-me com seu blog em uma pesquisa no Google para ajuda de pessoas com transtornos.<br />Sabe aquela sensação &quot;não estou sozinha&quot;, a qual me acompanha há muito tempo, deu-me um certo alívio, confesso.<br />Vi que você tem o transtorno há 17 anos, eu tenho há 3 anos e já estou me sentindo submersa demais neste problema, que surgiu

    • Oi, Aline, tudo bem?<br />Fico feliz que vc tenha encontrado meu blog e que tenha gostado dele. :)<br />Espero poder te ajudar!<br />Eu já me senti “sobrevivendo” também, e não vivendo cada dia. Mas hoje, felizmente, não me sinto mais assim.<br />Durante minha gravidez, eu simplesmente não precisei recorrer a remédio nenhum, tive uma gestação ótima, sem crises. O ideal, pelo o que ouço de médicos

    • Olá, Karen. Li sim, acho que já li todo o seu blog. Virei sua fã. Espero chegar nesse mesmo nivel. Escrevi um e-mail para você, se não se importar. Obrigada pela ajuda e pelo retorno. Beijos, Aline

  4. Olá, sou a Fabiana e gostaria de agradecer pelas informações nas quais obtive acesso pelo seu blog e saber que não estou só nessa luta contra a síndrome do pânico e ansiedade. Os meus sintomas começaram em dezembro de 2013 e estou tratando com medicamentos para hipertensão e antidepressivos prescritos pelo cardiologista e psiquiatra, porém, sinto que não vou conseguir superar os sintomas sozinha

  5. Oi, Karen! Boa noite!<br />Sou nova aqui no Sem Transtorno (essa é minha 3ª visita, mas o ST já está nos meus favoritos!) e fiquei muito feliz de encontrar um espaço onde as pessoas entendem o que é SP e TAG. Já ouvi coisas aburdamente nada a ver, de gente que acha que esse problema é &quot;frescura&quot;… (Uma mulher me disse que eu tinha que pensar que meu problema não é nada, perto do das

  6. A cura sem uso de medicamentos só é possível se o paciente conseguir mudar de alguma forma o modo como o cérebro faz suas ligações químicas. <br />A Síndrome do pânico assim como a depressão e outros transtornos, ocorre devido a mudanças químicas no cérebro, digamos q algumas substâncias deixam de ser produzidas ou mesmo absorvidas de forma eficiente, levando assim o corpo a produzir tais

  7. Muito boa a matéria, aliás, como todas que você coloca em seu blog. Adorei a comparação com o anticoncepcional, eu mesmo tomp anticoncepcional há quase 18 anos, não apenas para não engravidar, mas para o controle de uma disfunção hormonal, sem ele tenho cólicas horrorosas que me impedem até de levantar da cama de tanta dor. E agora tenho um mioma e faço controle com anticoncepcional para que

DEIXE UMA RESPOSTA