Medo de avião: enfrentei e fui para a Disney!

3546
(Fotos: arquivo pessoal)

Após dez anos sem conseguir entrar num avião, superei o medo e me diverti muito!

Desde 1997, quando passei a sofrer de pânico, perdi muitas oportunidades por não conseguir controlar o medo.  Em muitos casos, o medo de viajar de avião. (Já contei aqui no blog sobre a vez que desisti de ir pro Japão com uma amiga.)

E olha que viajo de avião desde que me entendo por gente, moro no Rio, mas minha família é de São Paulo, e sempre pegava a ponte aérea, de dia, de noite, com sol, com chuva, com os meus pais, sozinha, e adorava.

Mas o pânico traz consigo alguns medos incontroláveis, e este foi um dos que adquiri.

“Vamos todos para a Disney nas próximas férias”

Para piorar a minha situação, meu filho, que hoje está com sete anos, é completamente destemido e vivia me pedindo para viajar de avião. Achava muito chato ter que passar tanto tempo dentro do carro. Haja DVD, gibi e Nintendo DS para entreter essa criança durante oito, dez, quinze horas!

Bom, e aí que no meio do ano passado meu marido resolveu me fazer uma surpresa: programou uma viagem à Disney.

Quando ele me deu a notícia, fiquei muito feliz, claro, eu tinha muita vontade de levar meu pequeno pra lá. Mas ao mesmo tempo que fiquei feliz, pensei: “Como é que eu vou conseguir passar tanto tempo fechada num avião???”

Meu maior problema não era voar. O problema era me sentir “presa”, querer sair e não poder. É isso que me dá desespero, que me falta o ar até hoje só de imaginar!

Psicoterapia 

Durante esses anos todos, só não consegui evitar duas viagens de avião, mesmo assim foram viagens profissionais até São Paulo, menos de uma hora de voo.

Ao meu lado eu tinha colegas de trabalho, diretores globais, e isso me intimidava um pouco. Eu não podia dar um chilique!

Depois disso, foram pelo menos dez anos com os pés fincados em terra firme!

2015-02-9--00-10-36
Muitas fotos durante o voo

Mas a viagem para a Disney estava marcada, o dia ia chegar e eu não podia decepcionar minha família, meu filho!

Então comecei a trabalhar o medo de avião com a minha psicóloga e com a minha psiquiatra. Um verdadeiro trabalho em equipe!

Conforme íamos falando sobre o assunto, minha vontade de enfrentar e superar aquela limitação foi ficando muito maior do que o meu medo.

Resumo da ópera: o dia chegou e minha alegria era tão grande que nem tive tempo de sentir medo!

Obviamente levei ansiolíticos sublinguais por precaução, como S.O.S., conforme me orientou minha médica. E até saquei três deles durante a ida. Mas na volta nem precisei!

A felicidade de ver o meu filho tão encantado com aquela experiência nova, com as nuvens, com tudo que ele estava vivendo me anestesiou! Não senti fobia nenhuma! Li, escrevi, comi à beça (como de costume! rss), dormi… e lá se foi mais um obstáculo! Já estamos sonhando com as próximas férias, dessa vez na Europa! :)

Conclusão

Não deixem de acreditar que é possível enfrentar todos os nossos medos, as nossas fobias, a depressão… e superá-los!

Com tratamento adequado e força de vontade, podemos levar uma vida normal e até sermos felizes, vejam só! ;)

Faço questão de compartilhar com vocês algumas fotos dessa minha aventura em família, espero que gostem.

Um abraço a todos e… CORAGEM!!!

2015-01-9--23-43-00

2015-01-9--23-45-25 2015-01-9--23-46-59 2015-02-9--00-03-532015-01-9--23-57-392015-01-9--23-49-01

10 COMENTÁRIOS

  1. Oi, Karen. Pesquisando na net sobre "medo" de avião, cheguei até aqui. Passo pela mesma coisa, faço terapia há quase um ano, e não consegui vencer essa barreira. Adoooooro viajar, mas não tenho coragem de enfrentar várias horas de voo. Não pelo medo do avião cair, etc, mas pelo fato de ter a mobilidade reduzida, ficar na posição sentada por várias horas (e naquelas poltronas

    • Oi, Ana, tudo bem? Olha, eu faço TCC (terapia cognitivo comportamental), não sei se é a linha da sua psicóloga. Nós duas e a minha psiquiatra conversamos juntas sobre o problema e a partir desse dia a viagem passou a ser um objetivo comum. Com a terapia e com a orientação da minha psiquiatra, passei a me sentir mais segura. Levei uma medicação comigo (Rivotril sublingual, no caso) para tomar meia

    • Olá, Karen… Tenho o mesmo problema seu e de tantas outras pessoas que aqui comentaram. Não deixo de viajar, mas toda viagem é o mesmo dilema: medo de ter "ataque de pânico" dentro do avião e envergonhar meu marido e até ser motivo de notícia na mídia. Antes de viajar me agarro com todos os santos (Santo frontal, Santo Rivotril…) e só fico tranqüila quando chego no meu destino. Bem,

    • Oi, Ana Paula, tudo bem? Esse desconforto pode até existir, mas desde que não nos faça perdermos oportunidades importantes, não é?<br />Quanto à gravidez: <br />Durante minha gravidez, meu psiquiatra me orientou a interromper a medicação (no caso, fluoxetina) durante os três primeiros meses de gestação e que, caso eu tivesse alguma crise ou me sentisse muito desconfortável, que tentaríamos alguma

  2. Assim que eu soube que a gente ia viajar, comecei a me preparar psicologicamente, com a ajuda da minha psicóloga e da minha psiquiatra. Levei um ansiolítico comigo, eu ia tomar meia hora antes do voo, mas acabei tomando só na hora mesmo. E foi tudo tranquilo, procurei não ficar pensando em nada ruim, só queria me divertir, curtir minhas férias, e tb coloquei na cabeça que eu não poderia impedir

  3. Primeira vez por aqui e já estou gostando eu faço tratamento para ansiedade tanto com o psiquiatra e o psicólogo e também estou com medo de voar desde 2009 , conta como você superou .<br />abraço

  4. Lucinha!!!!!! Vc vai conseguir!!! Vale a pena enfrentar esses medos, a vida pode ser bem mais divertida!!!! Ainda mais pra você, essa alegria em pessoa!!! Um beijão, querida, saudades das nossas bagaças!!!! hahahahah

  5. Kallll!!! PARABÉNS PELA SUPERAÇÃO!!! Tb planejo levar o meu pequeno na Disney ano que vem, mas só de pensar no avião fico sem respirar….rsrsrs!!! Mas eu vou sim, se Deus quiser!!! Beijão e parabéns mais uma vez!!!! Lucinha (amiga Anto e Fefê)<br />

DEIXE UMA RESPOSTA