Síndrome do Pânico: Diagnóstico e Tratamento

502

33762813_1667304420032719_1918451733801992192_nA ansiedade é um sentimento que está presente no cotidiano de todas as pessoas. Quando ela passa a atrapalhar o dia a dia do indivíduo, causando prejuízos nos aspectos sociais, profissionais e pessoais, é necessário partir para a investigação junto ao médico psiquiatra.

Entre as manifestações patológicas e negativas da ansiedade, está o Transtorno do Pânico, ou Síndrome do Pânico.

A incidência de casos é estimada em 1,5% a 3,5% da população, acometendo mais mulheres do que homens, na proporção de 2 para 1. Além da alta prevalência, há ainda comorbidade com outros transtornos psiquiátricos, como depressão e transtornos de Ansiedade Generalizada, o que torna necessário o diagnóstico diferencial.

“Síndrome do Pânico: diagnóstico e tratamento” é o tema deste programa ABP TV, transmitido ao vivo no dia 28 de maio. Participaram da discussão os psiquiatras Antônio Egídio Nardi e Kalil Duailibi, que responderão às perguntas do público relacionadas às suas experiências clínicas e científicas no atendimento a pacientes acometidos por este transtorno.

O ABP TV é transmitido ao vivo pelo Portal da Psiquiatria, página da ABP no Facebook e ainda pelo Canal do ABP TV no Youtube. Você pode participar enviando sua pergunta pelos comentários da transmissão ao vivo ou pelo Linha Direta, disponível no site da ABP.

Conheça abaixo os convidados da semana:
Dr. Antônio Egídio Nardi: médico psiquiatra, professor Titular de Psiquiatria do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro – IPUB/UFRJ, International Fellow of the American Psychiatric Association – APA, Editor-Chefe da Revista Brasileira de Psiquiatria – RBP, fundador e coordenador do Laboratório de Pânico & Respiração do Instituto de Psiquiatria – UFRJ.
Dr. Kalil Duailibi: médico psiquiatra, professor de Psiquiatria – Universidade de Santo Amaro (UNISA); Diretor Científico de Psiquiatria – Associação Paulista de Medicina (APM); Editor da Versão Brasileira da Revista da Associação Psiquiátrica Americana (APA).

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA