Site ‘Sem Transtorno!’ lança campanha contra preconceito com medicação psiquiátrica

3240

No mundo todo, pessoas usam remédios para uma série de condições, como problemas cardíacos, câncer e diabetes, para citar algumas. É totalmente normal tomar uma medicação para ajudá-lo a ficar melhor quando você não está bem – exceto quando essa medicação é para ajudar você a viver com uma doença mental. Ainda existe, portanto, um enorme estigma.

Pessoas com problemas mentais, como transtornos de ansiedade e depressão, são muitas vezes orientadas por amigos e familiares a simplesmente mudarem alguns hábitos: “Você tem que fazer algum exercício!”, “Você precisa se alimentar melhor!”, “Você deveria trabalhar menos!”, e por aí vai. No entanto, estes “conselheiros” não percebem que isso pode ser tão inviável quanto pedir que alguém se esforce para se livrar da asma.

Todas as mudanças de hábito citadas são realmente muito importantes para que tenhamos uma vida com mais qualidade.  Mas quando falamos de um problema patológico, ou seja, quando se trata de uma doença, isso pode não ser suficiente. Por exemplo: dizem que nadar é muito bom para a asma; algumas pessoas, inclusive, afirmam que se curaram fazendo natação. No entanto, quando uma crise de asma se instala, ninguém vai jogar um asmático numa piscina. Ele irá precisar de nebulização, da bombinha dele, e não de cinquenta metros livres!

Então, que tal combatermos esse preconceito com os remédios psiquiátricos? Faça uma selfie com o remédio que você usa, que te ajuda a ter uma vida melhor, e compartilhe no Facebook, no Twitter ou no Instagram usando a hashtag #MedicadosSemTranstorno
As fotos serão publicadas no Sem Transtorno!

Vamos mostrar que tomar medicação para a nossa saúde mental não é um sinal de fraqueza!!!

Veja quem já aderiu à campanha!

Erin Jones: "Às vezes nós só precisamos de ajuda"
Erin Jones: “Às vezes, nós só precisamos de ajuda”

Esta campanha é inspirada na atitude da blogueira americana Erin Jones, de 36 anos, que, em setembro, postou uma foto sua no Facebook mostrando sua prescrição para antidepressivos, e disse: “Às vezes, nós só precisamos de ajuda”. Essa iniciativa gerou a hashtag #MedicatedAndMighty, que ganhou uma grande adesão nas redes sociais.

Ao observar as selfies publicadas por pacientes de doenças mentais, você percebe que não se pode dizer que alguém toma medicação para ansiedade só de olhar para elas; não é possível traçar um “perfil”. É por isso que este movimento é tão importante. A decisão de compartilhar publicamente a sua condição, combate estereótipos em dois níveis: mostra que não há vergonha alguma em ter uma doença mental ou tomar medicação para ela.

A intenção não é fazer apologia ao uso de medicação, mas diminuir o estigma e evitar que tantas pessoas continuem sem tratamento adequado por um motivo inaceitável: “vergonha”.

Se removermos preconceitos injustos sobre o tratamento de saúde mental, mais pessoas serão capazes de viver uma vida feliz e saudável. Como estas! :)

PARTICIPE! :)
Publique sua foto usando #MedicadosSemTranstorno

5 COMENTÁRIOS

  1. Maravilhosa iniciativa . Eu tomo Ritalina e escitalopran . Anciedade e deficit de atencao . Depois que deixei de lado o preconceito minha vida melhou muito em qualidade .

  2. tenho um neto que tem 10 anos ele e´imperativo já fui a varios psiquiatra já passarm aristab resperidom neuleptil mqais infelismente ele continua sem aprender nada vai a escola mais não faz tarefa nenhuma nao sabe ler nao sabe as cores não sabe de nada eu já não sei o que fazer e os remedios fazem ele engordar de mais se puder ma ajudar te agradeço de coração

    • Sra. Ieda, infelizmente, em muitos casos é necessário que sejamos persistentes. Continue buscando pelo acerto no diagnóstico e na medicação. Vocês já tentaram um neurologista? Talvez possa haver algo mais do que hiperatividade. Muito boa sorte para seu neto no tratamento, ele vai ficar bem.

DEIXE UMA RESPOSTA