Jovem supera ansiedade e depressão provocadas por hipertensão e obesidade

1307
Gabriele: alegria e esperança após anos de muito sofrimento

Na estreia da coluna “Bate-papo com os leitores”, Gabriele, de 26 anos, diz ser uma vencedora

Por Karen Terahata

Esta semana recebi uma mensagem pelo Facebook que me chamou muito a atenção.

“Bom dia! Amei sua página. Tenho 26 anos e me trato com psiquiatra e psicólogo desde 15 anos. Já tomei tantos remédios até acertar os certos e as dosagens, já tentei suicídio quando mais nova, tive vários problemas de saúde que me prejudicaram porque eu só vivia no CTI, era obesa mórbida e tinha pressão alta e diabetes. Me trato para depressão, ansiedade generalizada e fobia social, hoje estou casada e grávida de 7 meses e me sinto uma vencedora, pois tive que parar com os remédios para engravidar. Não é fácil ficar sem, mas estou conseguindo e estou ótima. Parabéns pelo seu trabalho!”

Respondi imediatamente, perguntando se ela topava conversar comigo para que eu contasse sua história aqui no site. Ela topou, e então, aqui está o que eu espero que seja o nosso primeiro “Bate-papo com os leitores” do Sem Transtorno! :)

talk-bubble-1174081
Nome: Gabriele C. Silveira Monteiro 
Idade: 26 anos
Aonde vive: Rio de Janeiro (RJ)
Profissão: Técnica de enfermagem; atualmente trabalha como secretária em um escritório de advocacia.

STT – Gabriele, o que a fez procurar ajuda de um psiquiatra e de um psicólogo aos 15 anos?
Gabriele – Eu comecei a sofrer com ansiedade e depressão aos 11 anos, quando em uma consulta médica descobri que estava acima do peso e com a pressão arterial 17×10. A partir dali, comecei a ganhar muito peso e vários problemas de saúde que me impediam de ter uma vida “normal”. Comecei a ter problemas com os estudos também, era isolada na escola e sempre fazia os trabalhos só; me sentia feia e diferente das outras meninas. Os anos foram passando e eu me sentia sozinha. Tinha crises de choro constantes e descarregava tudo na comida. Comecei a fazer tratamento com cardiologista, endócrino e nutricionista. Até que aos 15 anos fiquei internada várias vezes por conta da pressão alta e a minha vontade era de morrer. Minha mãe, me vendo naquela situação, decidiu me levar em uma psicóloga, mas eu simplesmente não conseguia me abrir com ela, só chorava. Então ela recomendou que procurássemos um psiquiatra, porque ela achava que eu estava deprimida. Foi muito difícil acertar uma medicação, tomei vários remédios e tive que mudar de psiquiatra diversas vezes. No auge da minha doença, me tranquei no quarto e tomei muitos remédios. No desespero, meu irmão arrombou a porta e me encontrou desmaiada. Sim, eu tentei me matar, não tinha vontade de viver, sentia uma tristeza sem fim. Nessa época eu pesava 150 quilos, já tinha ficado internada 27 vezes! Tive dois derrames, tomava uns 50 comprimidos por dia para pressão alta, diabetes, triglicerídeos, ansiedade, depressão… Até que encontrei um psiquiatra que acertou a medicação. Demorou, mas acertou. E ele trabalhava em conjunto com uma psicóloga.

STT – Você acha que a medicação é importante no seu tratamento? Por quê?
Gabriele – Com toda certeza! Eu vivia em uma prisão interna.

STT – Contou com o apoio de alguém?
Gabriele – A minha mãe foi essencial para que hoje eu estivesse assim, bem. Em todo o momento, ela foi o meu porto seguro, minha amiga.

STT – Você sofreu ou ainda sofre com algum tipo de preconceito por fazer tratamento psiquiátrico?
Gabriele – Sim, já sofri com o preconceito da minha própria família, achavam que eu era louca por tomar remédio tarja preta, me olhavam e me tratavam como doente. Menos a minha mãe.

STT – E como está a sua vida hoje?
Gabriele – Atualmente não estou tomando remédios, pois estou grávida, com 33 semanas, mas ainda faço acompanhamento com psicóloga e psiquiatra. Minha gestação está sendo tranquila, espero uma princesinha e estou muito feliz, sorrindo à toa e vivendo um sonho! No futuro, pretendo continuar o tratamento. Se possível for, sem medicação.

STT – Que mensagem você deixaria para pessoas que estão sofrendo hoje com problemas como o que você enfrentou um dia?
Gabriele – Se você está passando por problemas de ansiedade, depressão, ou outros, não tenha vergonha de procurar ajuda, não fique com medo das críticas! O tratamento ajuda demais e com certeza a sua vida ficará melhor.

Curta a nossa fanpage!
Conheça a campanha Medicados Sem Transtornomedicados (1)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA