14 dicas para enfrentar o pânico

2103

Fernando Mineiro, coordenador do Grupo de Apoio aos Portadores do Transtorno do Pânico (Grupan) e portador da síndrome há mais de 40 anos, nos dá seus 14 passos para superar as crises de pânico

1 – DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO
“Procure um psiquiatra de sua confiança para ter um diagnóstico preciso e uma medicação que se adapte ao seu organismo. Se você já tem um, siga suas orientações. Não pare a medicação sem autorização médica. Caso o seu diagnóstico inclua também agorafobia, procure um psicólogo que aplique a Terapia Cognitivo-Comportamental, a mais indicada”.

2 – CHECK-UP
“Faça um check-up anual, ou a critério do seu médico, para lhe dar mais tranquilidade e evitar possíveis somatizações com os sintomas do TP”.

3 – BULAS DOS MEDICAMENTOS
“Não leia as bulas dos medicamentos. A tendência é sentir os sintomas ali descritos. Confie em seu médico, porém, informe-o caso os efeitos colaterais surjam e sejam insuportáveis. A “piora inicial” é comum no início da medicação, mas com o uso os sintomas tendem a diminuir e até desaparecer”.

4 – GRUPOS DE APOIO
“Frequente um grupo de apoio, caso sua cidade tenha um. Caso não tenha, solicite instruções para criá-lo. Ele funciona como um exercício de exposição e de socialização, além de lhe dar apoio e esclarecimentos”.

5 – SORRIA!
“Viva o dia de hoje com intensidade, sua única certeza. Esqueça o ontem, ele não poderá ser alterado. Só pense no amanhã quando ele se tornar hoje”.

6 – VOCÊ É O QUE PENSA E ACREDITA SER
“Evite pensamentos negativos, combata-os com positivos. Em todo negativo existe o lado positivo, basta querer enxergá-lo”.

7 – DESVIE SUA ATENÇÃO DOS SINTOMAS
“Quando a crise surgir, após fazer o exercício de respiração diafragmática, procure desviar sua atenção dos sintomas. Há várias formas de fazê-lo: ler em voz alta, conversar, cantar ou qualquer outra ação que requeira sua atenção”.

8 – EXERCÍCIOS DE RESPIRAÇÃO DIAFRAGMÁTICA
“Treine diariamente a respiração diafragmática e execute sempre que sentir ansiedade ou início das crises”.

9 – EXERCÍCIO DE RELAXAMENTO AUTÓGENO
“Quando se sentir tenso ou estressado, faça um exercício de relaxamento autógeno à noite antes de dormir. Além de lhe garantir um sono tranquilo, evitará o acordar sobressaltado”.

10 – ALIMENTAÇÃO
“Evite alimentos de difícil digestão. Esses alimentos passam para o intestino sem estar totalmente digeridos, ocasionando formação de gases e dores no peito, devido à compressão do diafragma no músculo cardíaco. Evite também os que agridam a mucosa gástrica, muito sofrida pela ação da ansiedade: pimenta, vinagre e alimentos ácidos”.

11 – HIPOGLICEMIA METABÓLICA
“Na parte da manhã, opte por alimentos ricos em carboidratos complexos (amido – massas). Diminua o simples (açúcar). O metabolismo acelerado em portadores de transtornos de ansiedade pode ocasionar a hipoglicemia metabólica pela baixa de glicose, resultando em mal-estar, podendo desencadear crises”.

12 – SUBSTÂNCIAS PANICOGÊNICAS
“Não use ou experimente drogas ilícitas, elas são substâncias altamente panicogênicas: maconha, cocaína etc. Cigarros e bebidas alcoólicas também podem ocasionar crises. Evite alimentos ou medicamentos que contenham substâncias estimulantes; eles contribuem para o aumento dos batimentos cardíacos e podem funcionar como gatilho das crises (chocolate, café, chá-mate, refrigerantes à base de coca, guaraná e anfetaminas)”.

13 – ATIVIDADE FÍSICA
“Faça caminhadas ou outra atividade física não extenuante, para ter a liberação da endorfina, um hormônio com ação contra ansiedade e depressão, além de lhe proporcionar outros benefícios. Porém, faça com menor intensidade e tempo de duração. O músculo em exaustão libera ácido lático, substância altamente panicogênica”.

14 – APOIO FAMILIAR
“Leve informações sobre o seu distúrbio aos seus familiares e amigos. O apoio é muito importante para que você tenha êxito em sua recuperação. A falta de conhecimento leva ao preconceito e à falta de apoio”.

Fernando MineiroFernando Mineiro é autor do livro Tenho a síndrome do pânico, mas ela não me tem!
Para adquiri-lo, envie um e-mail para fmineiro@yahoo.com.br

14 COMENTÁRIOS

  1. Estou com esses sintomas…desejo ser curada…nao durmo a uma semanA…estou com medo da noite. Fé em Deus…e ajuda da nossa família td dará certo. ..contem comigo!

  2. bem,eu acho que tenho a sindrome ja faz 1 ano,tenho todos os sintomas mas tenho medo de tmoar remedio porque eu acho que se eu tomar vou infartar e morrer semter socorro,sempre estou indo no medico porquepra mim sempre acho que estou com uma doenca grave principalmente no coracao.

    • Anônimo, isso costuma acontecer com a maioria de nós, que sofre com o pânico. Tanto a ideia fixa de ter algum problema cardíaco quanto o medo de tomar a medicação. Precisei de duas pessoas comigo – uma delas era um médico – para tomar o remédio pela primeira vez. Achava que ia morrer… Mas deu tudo certo e tomo até hoje (já se passaram uns 7 anos!), tendo com isso uma vida com muito mais

    • Olá! Bom, Anônimo, na minha opinião, acredito que seja possível sim, mas talvez com mais sofrimento por conta dos sintomas. A medicação ajuda a diminuir esses sintomas (crises de ansiedade, depressão), principalmente na fase inicial da doença. Claro que isso é uma decisão pessoal, mas procuro incentivar a busca por ajuda médica e, se necessário, o uso de remédios para diminuição dos sintomas. Já

  3. Olá ja faz 3 anos q estou tratando sa síndrome do pãnico eu me sentia bem nos primeiros 2 anos sem remédios me controlei bem ,mas de repente comecei a ter crises e mais crises pensava que ia ficar louca qria sair correndo e meu psiquiatra ja me passou calmantes mas quando tomo fico muito pior sinto crises de hora em hora ,parei novamente com o remédio as crises diminuirão qria algumas dicas para

    • Acho que o importante não é superar sem remédio, mas encontrar o remédio mais adequado para você. Primeiro você precisa controlar os sintomas para ter equilíbrio e bem-estar suficientes para, aos poucos, encontrar novas maneiras para se sentir bem, aí pode ser uma atividade física, uma meditação… mas insista no tratamento, converse abertamente com o seu médico sobre o incômodo com o remédio.

  4. Nao sei nem pq vou expor meu problema mas vamo la. <br />Sai do meu antigo emprego e comecei fz programa p terminar meus estudos. Sou uma mulher jovem e benza Deus muito bonita. <br />Ai esta o problema. Isso causou muita raiva onde eu estava a ponto de uma mulher pedir a um homem p que me matasse com dois tiros. Fui no quarto fz alguma coisa, retocar o batom p perfume nao me lembro.. Ta,

  5. Ola tenho dois anos e meio que sofro do pânico no começo foi muito dificil tinha medo de ficar louca e ate hoje tenho, mais Deus tem me dado forças e junto com a medicação tenho tido uma vida normal. Mais a pouco tempo engravidei e tive que trocar a medicação e a nova medicação nao está fazendo efeito e estou tendo crises novamente me ajudem.

  6. Olá, Boa Noite.<br />A alguns anos fui diagnosticada com a Sindrome do Pânico, fiz tratamento medicamentoso por 6 anos e estou sem esses medicamentos a aprox. 7 anos. Minha vida está uma lastima, tenho crises de anciedade q não me deixam dormir, MEDO de tudo, até da porta da minha geladeira, estou no meio de um semestre de aulas e não posso voltar ao tratamento medicamentoso por causa dos efeitos

  7. Adorei essas dicas. Algumas eu já faço, como quando vem as crises na madruga eu ligo a tv, eu ligo o pc e vou me distrair c outras coisas e logo passa!!! Obrigado!!

DEIXE UMA RESPOSTA